Dia #93 – Extremos

Só consegui aparecer aqui agora porque esses meus dias  foram corridos e conturbados.

Sexta à noite tinha convencido o príncipe a ir na academia comigo (temos um crédito na academia aqui do lado de casa). Nos arrumamos, mas passamos antes no mercado pra comprar algumas coisas pra lanchar e não ir de barriga cheia.

Quando pisamos no mercado, o celular dele toca e eu já sabia:

– É a sua vó, né?

– É.

A vó dele havia falecido.

Tanto eu, como ele (principalmente ele), levamos de boa. Já estávamos esperando por isso.

Ele resolveu os detalhes do enterro, fomos ao hospital encontrar a madrinha dele e o primo.

No dia seguinte foi o enterro e ele se manteve bem forte, me surpreendeu completamente. Eu não sei se conseguiria estando no lugar dele.

À noite foi o casamento da minha amiga de infância. Ficamos amigas quando tínhamos por volta de 4/5 anos. E foi amor à primeira vista. Nos conhecemos plantando uma árvore na nossa rua e hoje em dia essa árvore tá giga. Posso dizer que a nossa amizade foi eternizada no primeiro dia que nos vimos.

Os nossos pais foram amigos de infância, nossas tias amigas de infância, nossos irmãos que nunca se bateram rsrs, mas se conhecem desde a barriga.

O príncipe não estava muito animado pra ir. Mas eu, minha mãe e o pai dele o convencemos de ir. Para distrair um pouco a cabeça, não ficar em casa triste e pensando em besteira.

Esse dia foi o dia mais esquisito da minha vida.

O dia que chorei de tristeza e chorei de alegria. O dia que começou fechando um ciclo e terminou começando outro ciclo.

Se bem que, sempre que um ciclo se fecha, outro sempre se inicia.

Minha amiga estava maravilhosa. Eu cheguei um pouco atrasada, por conta da correria do meu dia, e quando cheguei ela já estava dentro do carro. Fiquei esperando do lado de fora da igreja para ser uma das primeiras a vê-la. Enquanto eu esperava ela sair do carro, eu me tremia toda de nervoso. E quando ela saiu…nossa senhora. Maravilhosa.

noiva-saindo-do-carro

Eu chorei junto com ela quando ela estava entrando na igreja. Chorei junto com ela quando ela disse as palavras de juramento do casamento.

Impossível não passar um filme na cabeça num dia desses. De todos os momentos importantes e sem importância que já passamos juntos durante uma vida inteira.

Quero que ela seja eternamente a pessoa mais feliz do mundo, assim como foi a noiva mais linda do mundo.

Minha irmã de alma, de coração, de tudo mais.

amiga-irma

Ah, me comportei até muito bem no casamento. Tomei metade de um refrigerante, porque quando cheguei tava doida de sede. Mas depois, à noite inteira, foi água. Não comi bolo, nem docinhos. E pra falar que não jaquei, provei um bombom. 🙂

Quando saímos, cada um ganhou amêndoas e bem casados. Já pedi para o príncipe esconder todas essas delícias de mim. Ele pode até comer as que eu ganhei, mas que não seja na minha frente porque será uma tortura.

Hoje conseguimos correr um pouquinho. Tô começando bem leve. Caminhei bastante e depois alternei 30 segundos de corrida com 1 minuto de caminhada.

Começamos o desafio 30 todo dia. Nesse desafio, temos que em 30 dias seguidos, fazer reeducação alimentar e, pelo menos, 30 minutos de atividade física. Ao final dos 30 dias, posta foto do antes e depois e diz quantos quilos emagreceu.

Baixei também alguns aplicativos pro celular que estou testando, depois falo sobre eles pra vocês.

E vamos continuar o foco, a autoestima, vamos trocar idéias, vamos nos incentivar.

Fiz um instagram para poder falar do meu dia-a-dia nessa nova fase de atividade física e dieta. Lá dou dicas também. @365diasmeamando Segue lá 😉

Se quiser, pode acompanhar também pelo Facebook. No Facebook, além dessas dicas, também posto outras dicas de autoestima e vocês também ficam sempre ligados nos posts. Curte lá: http://facebook.com/365diasmeamando

Para quem quiser falar comigo sobre qualquer assunto, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com. Respondo todos os e-mails que vocês me mandam 😉

Autoestima de hoje: Maravilhosa

O que me detonou: Hoje? Nada

O que fiz de bom por mim: Comecei a correr

setembro 29, 2013. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Uncategorized. Deixe um comentário.

Dia #89 – O sofrimento às vezes é bom

Desde semana passada que estou querendo vir aqui escrever esse post, acabei adiando, adiando, mas acho que agora eu preciso escrever sobre isso.

adiar

Tenho visto pessoas queridas perdendo pessoas queridas, perdendo empregos, perdendo um monte de coisa. Eu mesma, perdi um amigo querido nesse final de semana. Uma morte repentina que deixou todos em choque.

Então aproveitei que o princípe não vai dormir em casa hoje. E pra ocupar a cabeça, vim escrever. Nesse mesmo período, no ano passado, minha cabeça estava com a mesma aflição, porque ele dormia no hospital com a mãe dele. E hoje eu vi essa história se repetir quando ele saiu de casa pra dormir no hospital com a vó dele.

A vó dele é bem velhinha, tá internada e os médicos disseram que provavelmente, ela não vai sair dessa.

E eu me volto ao meu antigo problema de não saber o que dizer a ele nesse momento e me sentir uma completa inútil e péssima namorada.

medo

Só que dessa vez eu tô mais madura, ele também. Estamos mais tranquilos. Bem mais, acho que nem tem comparação.

Falei pra ele beijar e fazer muito carinho nela, aproveitar muito esse tempinho junto com ela.

Mas continuando o assunto, na semana passada fiquei pensando no sofrimento que as pessoas passam, quando não se tem força nem para levantar da cama.

Fiquei pensando que sei como é isso. Olhei pra trás e nem acreditei que conseguimos passar por tudo aquilo, que na época tínhamos a sensação de que nunca teria fim a dor. Dá um alívio tão grande ver que vencemos, que nem sei explicar direito a sensação.

E aí que pensando nisso nesse dia fui pra aula de liderança. Minha professora de liderança é uma velhinha, com tom de voz baixo, movimentos lentos, óculos maior que a cara. Mas, sim! Ela dá aula de LIDERANÇA! Não consegue nem liderar a turma que não para de falar e fala mais alto que ela, mas sim! Ela dá aula de LIDERANÇA!

velhinha-oculos-grande

A aula dela é no último tempo da noite. Eis que ela apaga a luz e diz que vai passar um filme. Quando eu estava quase dando boa noite e deitando no fichário, resolvi prestar atenção no início do filme e foi a melhor coisa que eu fiz.

O filme era sobre o filósofo Nitzsche. E aos poucos, descobri que penso muito parecido com o que ele defendia.

Ele dizia que para conseguir algo que se queira, é preciso sofrer. Que dificuldades são normais, não devemos entrar em pânico ou desistir, porque não é o fim do mundo absoluto. Sempre há um novo mundo depois do fim do mundo.

friedrich-nietzsche

Todos nós nos beneficiamos do fracasso e da dor. Como apreciar o sucesso, se nunca tiver fracassado?

O jardineiro é um super exemplo disso tudo. Ele pega raízes feias e extrai a beleza delas. Faz nascer delas algo bonito. E é o que devemos fazer com nosso sofrimento, nossa dor, nosso fracasso. Devemos extrair algo de bom.

Nem tudo que nos faz sofrer, é ruim. Como nem tudo que nos deixa feliz, é bom.

Felicidade não é fugir dos problemas, é enfrentá-los e tirar algo bom deles. Então não tente fugir, de uma forma ou de outra, dos seus problemas. Não se afogue em um copo de cerveja, porque nela não está sua solução (Beijo SPC e Raça Negra).

E como todo mundo sabe, “Aquilo que não me mata, só me fortalece”. E agora, graças a Deus, eu estou bem mais fortalecida.

Beijos,

Nanda 😉

Para falar comigo sobre qualquer assunto, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com. Queria dizer que tô muito contente. Estou recebendo e-mails e comentários de várias noivinhas. Algumas que dizem passar pelo mesmo caso que eu, outras que fecharam na mesma casa de festas. Vocês são lindas! Amo os e-mails de vocês e respondo todos.

E não esqueçam de curtir nosso Facebook. Sempre coloco fotos, mensagens lá. http://facebook.com/365diasmeamando

Autoestima de hoje: Boa

O que me detonou: Provas, provas, provas

O que fiz de bom por mim: Percebi que não fugi e estou fortalecida

setembro 24, 2013. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Uncategorized. 2 comentários.

Dia #72 – O poder de cura que nem o tempo tem

No dia em que minha sogra faleceu, no velório, uma amiga nossa estava conversando com meu namorado.

Essa nossa amiga também perdeu a mãe, acho que há 2 anos, e estava tentando compartilhar um pouquinho do que ela passou.

Lembro que na época ela disse que, com o passar do tempo é fica mais díficil. Que de vez em quando ela tinha umas recaídas brabas e que chorava que nem criança.

Tenho que confessar que achei que fosse porque ela era muito sensível ou que estava exagerando. Afinal, nada como tempo para curar todas as feridas, não?

Tempo não cura

E aí que cheguei até comentar aqui a força que meu namorado estava tendo. Que havia chorado apenas uma vez e mais nada.

O tempo foi passando e no domingo antes do natal o namorado tava de cara fechada. Eu toda empolgada com o Natal, com a sobremesa que nós iríamos fazer para a ceia e ele de poucas palavras.

Acabamos brigando e no meio da discussão ele disse que não queria fazer nada, que não tava com vontade de fazer nada no natal porque quem fazia tudo antes era a mãe dele. Na raiva eu acabei perguntando se ele achava que ela ia gostar de vê-lo agindo desse jeito ou se iria gostar de vê-lo feliz.

No mesmo momento ele arregalou o olho pra mim, virou as costas e foi embora chorando. Fui atrás dele e quando me vi estava chorando também.

Ele desabafou, disse que tava sendo muito difícil pra ele essa época do ano. Porque a mãe dele adorava o Natal, preparava a ceia toda e agora ela não tá mais aqui.

Ele chorou muito esse dia. Coisa que ele nunca tinha feito desde que minha sogra faleceu. Conversamos bastante, pedi ajuda à amiga querida do início desse post, que foi também lá na casa dele conversar um pouco com ele e tudo ficou bem, ele passou o natal e ano novo super bem.

O tempo passou mais um poquinho e no domingo agora foi dia de Reis, dia de tirar toda a decoração de natal. 😦 Por mim, eu deixaria o ano todo, mas não por preguiça, porque eu amo decoração natalina. Mas nós 2 tiramos tudinho, guardamos tudinho e passamos o dia super bem.

Quando tava quase dando meia noite, eu tava deitada na cama mexendo no cel e notei que ele tava no computador e tinha fechado a cara. Pensei: “Pronto! O que eu fiz?”. Quando eu levantei pra fazer alguma coisa, ele se jogou na cama pra dormir sem falar nada.

Eu: O que houve?

Ele: Nada

Eu: Fala

Ele: Nada

Pensei um pouco.

Eu: É saudade?

Ele: É

E começou a chorar muito, muito, muito. Perguntei se ele queria chorar no meu colo e quando ele disse que sim, chorei mais que ele.

Como já havia aprendido, não disse nada, só mostrei pra ele que tava ali e que iria ficar do lado dele pra sempre.

Quando ele se acalmou, olhei no celular: 07/01/13 – 2 meses de falecimento da minha sogra.

Ele jurou que não tinha se tocado da data e que não era por isso que bateu saudade, disso que estava lembrando dela esse domingo o dia todo.

Eu cheguei à conclusão de que essa minha amiga tava certa, com o tempo só piora. Acho que a saudade só vai aumentando e aumentando.

Ué, mas me pergunto novamente, o tempo não cura tudo? Não! O tempo não cura tudo! Aliás, o tempo não cura nada, o tempo apenas tira o incurável do centro das atenções. Já dizia Martha Medeiros.

Aprendemos à viver sem aquela pessoa, mas o buraco que ela deixou? Acho que sempre vai ficar ali.

Ainda te amo

Beijos 😉

Para falar comigo sobre qualquer assunto, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Autoestima de hoje: Média, acho que estou me descuidando

O que me detonou: Eu acho que me detonei

O que fiz de bom por mim: Hoje nada 😦 Mas começarei hoje à noite mesmo

janeiro 9, 2013. Tags: , , , , , , , , , , , , , . Uncategorized. Deixe um comentário.

Dia #65 – Quando a vida exige que você seja forte

Meu sumiço aqui foi proposital, estava tomando coragem de escrever tudo que preciso aqui.

Como alguns devem saber, na quarta-feira passada, dia 7/11/12, veio a temida ligação. Minha sogra acabou por não resistindo ao câncer e faleceu.

O enterro fluiu bem, o namorado tem me impressionado muito com essa força toda. Mas tem hora que não dá e no momento que foram fechar o caixão ele chorou, chorou muito, chorou feito criança e quanto mais ele chorava, mais apertava a minha mão. Apertou tão forte minha mão que chegou a doer, confesso. Confesso também que naquele momento me senti a pessoa mais importante do mundo, não trocamos uma palavra, mas ele pôde sentir que eu estava ali e iria estar sempre com ele, nos piores e melhores momentos.

Apesar das pessoas agora me cobrarem isso, não quero e não vou preencher nenhum espaço, esse lugar é dela e vai ser eternamente. Quero preencher outro espaço, quero que ele não se sinta sozinho e vazio.

Essa foto o namorado tirou da sogra uns 15 dias antes de descobrirmos a doença. Foto linda!

Quando chegamos do enterro, me senti muito cansada. Nunca me senti tão cansada na vida, mas não era só fisicamente, sabe?!

No dia seguinte fomos resolver lances de documentações e enquanto ele estava procurando os documentos, encontrou algumas fotos e um cartão lindo de 1984 que a mãe dele mandou pro pai (arrepio só de lembrar as palavras lindas que estavam escritas. E o namorado me surpreendeu mais ainda ao ver tudo isso e lembrar com alegria de tudo. Acho que esse é o correto, mas jamais conseguiria ver essas recordações sem ficar abalada emocionalmente.

O pai dele é a nossa maior preocupação agora. Vira e mexe, ele fica com o álbum de casamento, já chegou até a falar que foi tudo culpa dele que nunca foi bom marido e bom pai, o que é completamente mentira. Minha sogra era completamente apaixonada pelo marido e sempre falava bem dele, meu namorado idem.

Bom, eu estava só aguardando a missa de 7º dia para escrever aqui. Pra mim, não deveria existir a missa de 7º dia. Sei que entramos em assuntos religiosos, mas essa missa só estende o sofrimento. Enfim, ao sair da missa me senti como fechando um ciclo.

Cheguei na casa do namorado com um cansaço esquisito e praticamente desmaiei. Acordei era meia noite, eu acho, e comentei com o namorado que sonhei com a mãe dele e que ela tava bem (estava gordinha, saudável, como antes), só que eu não conseguia lembrar o que ela tinha me dito no sonho.

Peguei o celular e tinha chamada da minha família toda. Sabia que tinha acontecido alguma coisa. E, infelizmente, tinha: Meu tio faleceu!

Meu tio era casado com a minha tia (irmã da minha mãe) antes mesmo de eu nascer. Fui criada com meu primo e ele é meu irmão (na verdade, meus 3 primos – 2 são filhos de outra tia, que é minha madrinha também – são meus irmãos).

Ele era Engenheiro de uma grande empresa e sempre ganhou muito bem. Mas nos últimos anos a vida dele deu uma desandada. Teve que se aposentar e se viu sem atividade (para quem trabalha a vida toda, ficar sem fazer nada é muito difícil, deprime mesmo), o pai dele morreu, a mãe foi morar em outro estado, o filho (filho único) casou e também foi morar em outro estado.

E desde o início do ano ele vem perdendo a memória, mais para a metade do ano foi ficando um pouco debilitado (falava devagar, andava devagar). Aí que em umas 3 semanas, do nada, parou de andar e falar. Foi internado no CTI, que por uma coincidência infeliz, era o mesmo hospital da minha sogra, na mesma semana que ela também foi internada neste CTI. Disseram que era uma doença degenerativa no cérebro e não tinha jeito. Ele não reconhecia mais ninguém, se alimentava por sonda e estava sedado.

Mas eu simplesmente não aguento mais ver as pessoas que eu gosto chorarem, não aguento mais ver essas pessoas tristes. As pessoas que mais amo na vida. Quando eu tava quase bem pela minha sogra, por ver meu namorado triste, vem mais essa? Sem nenhum espaço de tempo. Tô tentando descobrir porque isso está acontecendo comigo, com certeza tem um motivo, mas to cansada, poxa!

Tô tentando me preparar para o enterro amanhã. Não sei como vai ser vendo minhas tias, minha mãe, meu primo. Todos tristes. Não sei como vai ser a reação da minha vó, ela tá tão fraquinha.

Ando tirando força do dedinho do pé, isso é uma verdade.

É verdade também últimas semanas eu só pedia a Deus que levasse minha sogra e meu tio logo. Todos temos plena consciência, que foi o melhor para os 2. Estavam sofrendo muito, fazendo todos aqui sofrerem com isso e agora, tenho certeza, que estão bem. Podem, enfim descansar.

A gente chora aqui, porque tem a saudade, né? Mas no céu tá tendo festa! Que os dois descansem em paz e vamos todos sentir muitas saudades pra sempre.

Para falar comigo sobre qualquer assunto, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Autoestima de hoje: Lá embaixo
 
O que me detonou: Perdendo pessoas queridas, vendo o sofrimento das pessoas que mais amo

O que fiz de bom por mim: Me tornando uma rocha

novembro 15, 2012. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Uncategorized. Deixe um comentário.