Dia #44 – A Alegria é contagiante

Sexta e sábado não pude passar aqui porque passei os dias inteirinhos no hospital com a sogra.

Não tivemos notícia muito boa. A sogra não vai ser operada porque o tumor já está muito grande e a cirurgia não é indicada nesse momento. Na sexta foi um mega soco no estômago, ficamos bem mal mesmo. Mas agora estamos esperançosos que o oncologista vai dar uma ótima alternativa e que vai dar tudo certo.

Na sexta ela fez a endoscopia e deve estar recebendo alta na terça, mais ou menos.

E quando eu achei que meu namorado estaria péssimo, sem forças, ele me surpreende. E tira uma força de não sei daonde e fica com um bom humor que não consigo entender. Admiro muito isso nele, porque não sei se conseguiria não me abalar (pelo menos por fora) no lugar dele.

E essa alegria dele passa pra mim e pra minha sogra, que é o que mais importa. Ele tá sempre brincando com a mãe e ela adora e tá sempre feliz também. Canta, conta piada, conversa com a gente.

Contando isso pra vocês me fez lembrar de uma situação ridícula que aconteceu comigo na quinta-feira.

Eu estava voltando do trabalho num trânsito insuportável, estava dirigindo irritada, triste com tudo que está acontecendo, estressada com o trabalho, tudo de ruim. Eis que passa um motoqueiro (que devia estar com algum fone que eu não conseguia ver por causa do capacete) fazendo uma dancinha muito engraçada, ele estava realmente muito empolgado e eu fiquei olhando ele se afastar dançando até que eu RI. E ri muito.

Fiquei com tanta inveja da felicidade dele que quis ficar igual. Procurei na rádio a música que talvez ele estaria ouvindo e me deparei com um funk, coloquei bem alto e comecei a fazer a tal dancinha esquisita. Sim, foi tosco, mas eu fiquei gargalhando sozinha no carro no meio do trânsito.

Aquele motoqueiro que nem sequer olhou na minha cara, me fez tão bem, tão bem que eu queria poder agradecê-lo por isso.

É incrível, mas até quando você não tem a intenção, a sua felicidade, a sua alegria contagia o ambiente. Por mais que esse ambiente esteja pesado, acredite: um sorriso você vai tirar desse lugar. Mesmo que não perceba, mesmo que o sorriso seja tímido.

Quem nunca se pegou rindo de alguém muito alegre, aquela pessoa que chega e parece que enche todo o lugar com o bom humor, a boa energia?

Que tal fazer o seu dia e o dia de alguém mais feliz?

Agora deixa eu ir lá, porque pausei o último episódio de Sex And The City pra vir escrever esse post. Já sinto saudades da série. Mais do que uma série, uma terapia. Muitos episódios inspiraram vários posts aqui e posso dizer que a coluna da Carrie inspirou o blog. 🙂

E pra você que quer falar comigo sobre qualquer assunto, dar sugestões de posts, dicas e reclamar de alguma coisa, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Autoestima de hoje: Mais do que Ótima

O que me detonou: Finalzinho de domingo sempre deprime um pouco, né?

O que fiz de bom por mim: Fiquei agarrada no namorado pegando um pouco de todas as boas energias dele

Anúncios

setembro 30, 2012. Tags: , , , , , , , , , , . Uncategorized. 8 comentários.

Dia #43 – Elogios são feitos para serem aceitos

Para começar o post de hoje, vou atualizá-los com notícias da sogra: Ela tá bem, ainda internada no quarto esperando pra marcarem a cirurgia. Amanhã  vai fazer uma endoscopia e colocar uma prótese no fígado para liberar a bile que a lesão no pâncreas tá obstruindo (desculpem-me os entendidos, eu sou completamente leiga no assunto). Namorado dormiu com ela de ontem pra hoje e disse que ela está animadinha e falante. 🙂 Vamos continuar na torcida que tá dando certo, ok?!

Mas o que eu queria mesmo falar hoje é que eu nunca soube receber elogios. Nunca soube lidar com isso. Sempre me senti muito envorganhada quando alguém elogiava minha roupa, meu cabelo ou qualquer outra coisa.

Eu bem sei que não estou sozinha nisso. Muitas pessoas falam a mesma coisa. Não é à toa que a comunidade “Não Sei Receber Elogios” do ~ falecido ~ Orkut era lotada de pobre coitados como eu.

Até que uma vez li no livro “Por que os homens amam as mulheres poderosas?” (já até falei dele por aqui, lembram?) que sempre que formos elogiados, devemos aceitar o elogio. Mesmo que nem concordemos com o elogio, devemos apenas sorrir e agradecer.

Eu nunca tinha percebido isso, mas temos o costume de não aceitar o elogio. O que pode deixar a pessoa que o fez, muito sem graça ou até chateada. Tipo: “Nossa, como você tá magra” “Ah, tá! Quem me dera!”. Da próxima vez, apenas sorria e agradeça a gentileza. Você não precisa se jogar no pescoço da pessoa que o elogiou e agradecer infinitamente.

Você não aceitando o elogio feito à você se desmerece e a pessoa pode acabar se convencendo de que realmente você não merece tal “agrado” e aí nunca mais o faz ou até pode perder o interesse em você, se esse for o caso (lembrando que não apenas pessoas interessadas em você, lhe fazem elogios).

Só para concluir, vale sim ficar envergonhado(a). Eu, por exemplo, fico rosinha até hoje com qualquer tipo de elogio, dos mais tranquilos aos mais constrangedores. Mas, mesmo que não concorde com alguns, agradeço para todos e o agradecimento vem sempre acompanhado de um sorriso.

Acredito, isso vai super agradar quem fez o comentário e deixa você e a pessoa felizes. Afinal, não é ótimo ser elogiado?

setembro 27, 2012. Tags: , , , , . Uncategorized. 2 comentários.

Dia #42 – Quando tagarelar pode ser uma boa opção

Oi, tenho boa notícia: Enfim vagou um quarto e minha sogra conseguiu internação. Como ela mesma disse ontem quando fui visitá-la, está em sua suíte. 🙂

Fui lá mesmo pra buscar meu namorado e arrancar ele de lá a força, se fosse necessário. Estava lá há 1 dia e meio, sem dormir, sem tomar banho, nem comer direito. E não queria ir embora. Felizmente não se fez necessário usar a força (rsrs) e ele se convenceu a ir embora comigo, já que a sogra já ia dormir e de manhã ele estaria lá novamente.

No elevador, como ele tava meio calado, eu perguntei se tava tudo bem. Ele desabou e chorou muito dizendo que não queria ir embora porque ia ficar com saudade da mãe. Eu sabia que uma hora isso iria acontecer, ninguém consegue ser durão pra sempre. Mas eu não tava preparada pra isso, não naquele momento.

Eu não consigo ver homem chorando (principalmente quando esse homem é meu pai/namorado/irmão) que eu choro junto. Porque, geralmente, quando eles choram, é porque realmente é sério e que estão realmente tristes. Não deu outra, chorei junto com ele.

Fiquei decepcionada comigo mesmo. Poxa, no momento que ele mais precisava que eu fosse forte, eu chorei e não ajudei em nada?!

Quando entramos no carro, ele ainda estava chorando e eu sem saber como diminuir essa angústia/tristeza/dor. Foi aí que resolvi falar desembestadamente sobre coisas imbecis. Falei sobre o funk que estava tocando, a chuva, o trânsito e até sobre ex-namorados. Eu falei sem dar pausa, mas tanto que fiquei com a boca seca.

Bom, ele ficou calado, escutando, sem chorar, ria de vez em quando. Não sei exatamente se ele ria porque tava me achando uma maluca, mas não chorou mais e eu consegui o que queria que era justamente isso.

Fui dormir na casa dele porque jamais deixaria ele sozinho, né?! E aquela coisa: cabeça vazia, oficina do diabo. E se tem uma coisa que eu sei fazer bem é falar (e muito) e ocupar a atenção alheia.

Hoje levamos algumas coisas para a suíte nova da sogra e ela está ótima, super animadinha. O médico está só esperando o resultado de uns exames para poder marcar logo a cirurgia.

E enquanto isso, estamos todos com pensamentos super positivos. E devo agradecer às mensagens que recebi de carinho e apoio. Meu muito obrigada. Peço que continuem orando e torcendo para que tudo dê certo, porque eu sei que vai dar.

Ah, e ontem eu falei sobre o poder que tem para quem precisa de força de alguém próximo. Esqueci de postar um vídeo de Sex and The City, em que a Samantha (que sempre foi muito forte) está com câncer de mama e o cabelo começa a cair e ela vê a necessidade de raspar, mas óbvio que precisa de muita coragem pra isso.

O namorado dela (que sempre teve o cabelo comprido e lindo) chega nesse momento e ao ver a cena, para enconrajá-la, raspa o cabelo dele e diz que depois que ele terminar, vai ser a vez dela. E assim foi. Uma das cenas mais lindas que vi até hoje nesse seriado. Ah, detalhe, nesse vídeo que vou postar aqui mostra as amigas dela acompanhando-a numa sessão de quimioterapia e falando um monte de besteira, fazendo ser um processo menos doloroso:

Autoestima de hoje: Ótima

O que me detonou: Não conseguir ajudar quem eu gosto

O que fiz de bom por mim: Falei, falei e falei infinitamente

setembro 26, 2012. Tags: , , , . Uncategorized. 2 comentários.

Dia #41 – Força, quando menos se tem, é quando mais se tem

Ok! Estou tímida! Tô super sumida daqui. Vocês me perdoam? Prometo, prometo, prometo que não vou mais abandonar esse cantinho dessa maneira.

Como eu tinha contado aqui pra vocês, que minha vó tava muito doente e ela tem se recuperado a cada dia. Esse feriadão ela foi pra Araruama pra casa da minha tia e ainda passou em Búzios pra almoçar com a minha mãe.

Inclusive, meu primo me mandou uma mensagem há umas 2 semanas: “Minha vó pediu pra postar a foto dela de “bobs em araru”, palavras dela….”. Eu ri horrores e fiquei super feliz.

Uma amiga que viu a foto disse que minha vó tá super bem e perguntou motivo. Contei pra ela que não tinha motivo aparente, que conversamos com ela e a fizemos entender que ela desistindo da vida, não prejudicava só a ela, prejudicava à todos nós. E que com a força que demos à ela, foi ficando forte também.

Para alguém que esteja doente ou em outra situação delicada, a força, a positividade e alegria que as pessoas em volta transmitem à ela é algo com um poder indescritível.

Descobrimos semana passada que minha sogra está com um câncer maligno no pâncreas. Na hora foi um puta soco na cara e eu só sabia chorar, chorar e chorar.

Mas quando se é a base da base, não é admissível fraqueza. E ele é a base da minha sogra. Então quando fui encontrar com meu namorado, lavei a cara, passei uma maquiagem e fui linda e contente pra ele nem desconfiar que eu tava triste.

E outra: ele acha que pode resolver tudo sozinho, se sobrecarrega muito e se mantém ali firme, como uma rocha. Num momento de discussão até cometi uma injustiça e cheguei a dizer à ele que ele nasceu pra viver sozinho porque não sabe dividir os problemas. Mas pensei bem e depois disse que se ele nasceu assim, vai ter que aprender a dividir os problemas, sim. Porque ele não tá mais sozinho, agora somos dois.

Nosso final de semana foi maravilhoso, ficamos o tempo todo em casa com ela. E por nenhum momento lembramos o que é ser triste.

Estamos todos muito positivos, temos certeza que vai dar tudo certo.

Lembro de que meu namorado me disse que tinha medo porque ela tava muito fraquinha. Só que agora eu digo pra ele e todos que estão lendo: Nunca subestime a força de alguém.

Ela já está internada para ser operada ainda essa semana. Ontem passou o dia todo na emergência esperando vagar um quarto. Eu cheguei lá à noite estressada com o trânsito, o calor e tudo mais. E quando fui falar com ela? Ela estava rindo e brincando. Me senti tão egoísta naquele momento e ao mesmo tempo vi que meu namorado não nem tem idéia da força que a mãe dele tem.

Vou mantendo vocês informados para que todos passem muito pensamento positivo pra sogra. Conto com a fé de todos vocês. Obrigada!

Autoestima de hoje: Boa

O que me detonou: Sogra ainda não foi pro quarto

O que fiz de bom por mim: Desabafei aqui com vocês

setembro 25, 2012. Tags: , , , , , . Uncategorized. 2 comentários.

Dia #40 – Tibuto à minha – não extinta – adolescência

Ok! Estou tímida! Tô super sumida daqui. Vocês me perdoam? Prometo, prometo, prometo que não vou mais abandonar esse cantinho dessa maneira.

Gente, ontem fomos ver “O Diário de Tati”. Li esse livro na minha adolescência e super amei. Fui ver o filme em “tributo” à minha falecida adolescência.

O filme é super divertido e me fez lembrar porque eu super amava o livro. A Tati (personagem da Heloísa Perissé) é super parecida comigo mais novinha.

Sim, eu falava muito “Fala sério”. Ok! Eu ainda falo.

Sim, eu falava muito “Tipo assim”. Agora eu falo só “Tipo”. Quase todas as minhas frases começam com um “tipo”.

Sim, eu era, e ainda sou, muito exagerada. Tem uma hora no filme que ela vai falar pras amigas que vai viajar e não queria deixar nenhum assunto pendente porque “vai que o avião cai”? Sim, eu já disse isso pro meu namorado de quando eu for pra Nova York. rsrs

Sim, eu escrevia tudo que acontecia (e até o que não acontecia, mas eu queria que minhas amigas achassem que tivesse acontecido quando lessem) na agenda. Agora eu escrevo aqui no blog, no Facebook.

Ela tem 3 pais, no caso eu tenho 2. E fala assim”quando eu falo meu pai, meu pai mesmo é o pai do meu irmão”. Eu sempre falo isso pra todo mundo. rsrs

Foi muito divertido lembrar da minha adolescência e das mongolices que a gente faz quando tem essa idade.

Mas aí eu fiquei pensando: Eu ainda tenho muita característica de quando eu era dessa idade, ainda faço muita mongolice.

Será que é sinal de imaturidade? Fiquei com isso na cabeça. Mas sei lá, prefiro pensar que é sinal de que nunca vou me tornar uma dessas adultas sérias e chatas. Será?

Alguém aqui ainda tem alguma mongolice da adolescência?

Autoestima de hoje: Altíssima

O que me detonou: Muita coisa pra fazer ao mesmo tempo, não sei ao que me dedico primeiro

O que fiz de bom por mim: Me declarei uma adulta não-chata

setembro 12, 2012. Tags: , , , , , , , , , , . Uncategorized. 2 comentários.